domingo, 21 de novembro de 2010

Pobres sofrem nova derrota


Por:João José dos Santos Neto

"Terminado mais uma campanha eleitoral o pobre sofre mais uma derrota política e deixa de ser foco das promessas dos políticos, seja, mais uma vez foi iludido, queriam apenas o seu voto e negaram seu beneficio.
Veja mais essa"

Tirando dos pobres e dando aos ricos.
A Comissão de constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) rejeitou, nesta quarta-feira (17), proposta de emenda à Constituição (PEC 55/05) que pretendia garantir às famílias pobres a gratuidade do registro da escritura pública de seu único imóvel residencial. O argumento usado pelos senadores para derrubar o benefício foi a dificuldade que os cartórios teriam para comprovar esse direito.
- Vai ser muito difícil fiscalizar isso. É melhor que o Estado ofereça subsídios ao financiamento de moradias populares, onde o custo do registro do imóvel já está embutido - considerou o senador Aloizio Mercadante (PT-SP).
A ponderação feita por Mercadante recebeu o apoio dos senadores Demóstenes Torres (DEM-GO), Romero Jucá (PMDB-RR) e Antonio Carlos Júnior (DEM-BA). Coube ao parlamentar pela Bahia, inclusive, reformular o parecer pela aprovação, na forma de substitutivo, que havia sido elaborado pelo senador Eduardo Azeredo (PSDB-MG). Estimulado pela discussão da matéria, Antonio Carlos Júnior, na condição de relator ad hoc , recomendou o voto contrário à PEC 55/05.
Não concordo em que possa ser difícil para os cartórios comprovar esse direito, há milhões de pobres cadastrados nos programas de combate a pobreza ou será que o governo teve dificuldades em cadastrá-los o que deixa claro que mais uma vez o pobre é enganado.
Pelo menos poderiam reduzir as taxas cobradas pelos cartórios, que faturam tanto quanto os banqueiros
jojosantosneto@gmail.com

5 comentários:

Ailson Mendes Jr. disse...

Como sempre a vida do pobre é difícil. quando consegue juntar dinheiro para comprar um "barraco" não consegue lavrar a escritura sem contar que comprar um carro para trabalhar não consegue pagar os impostos e assim vai...
A única certeza na vida do pobre é que ele vive é de "TEIMOSO"

JOÃO DE DEUS disse...

AS DECISÕES E REFORMAS DEVEM TAMBÉM TEREM ÉTICA E PREPODERÃNCIA, SE PARA ESTE "JUSFILOZOFO" DA CORTE E OS DEMAIS QUE CORROBORARAM,SENDO ASSIM, À ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA ATRAVÉS DOS PRINCÍPIOS QUE A NORTEAM (EFICIÊNCIA...), NÃO SENDO CAPAZ DE IDENTIFICAR À INSUFICIÊNCIA DA RENDA DE UM CIDADÃO OU NÃO? CONCLUI-SE ENTÃO, QUE TODAS AS OUTRAS ISENÇÕES PRÉ EXISTENTES DEVERÃO SEREM REVOGADAS (...)

JOÃO DE DEUS disse...

A CORTE PARECE CIRCUNDAR AS SUAS DECISÕES PELOS RUMOS INCERTOS DA TOLERÂNCIA E NÃO ESTÁ SENDO RIGÍDA QUANTO AOS PRINCÍPIOS QUE A NORMA OSTENTA ! TOLERAR CRIMES COMO: FRAUDE , ESTELIONATO ETC... ALEGANDO A INCAPACIDADE FISCALIZATÓRIA DO PODER DE POLICIA DO ESTADO? SEM CONTAR, QUE, O CIDADÃO DE BEM,NÃO PODERÁ USUFRUIR DE UM BENÉFICIO QUE TERIA O DIREITO? PEÇA PARA ESTE TAL "ALOISIO PEDANTE, PEDÁGIO", PARA REFORMAR A LEI PENAL TAMBÉM? ESTÁ DECISÃO É UM AFRONTO AO ESTADO DE DIREITO? (...)

Gonçalo disse...

Não sei porque tanta discussão em volta do pobre, a solução é simples: Construir vários campos de concentração (como na segunda guerra) e colocar os pobres lá dentro.

José Francisco Ferreira disse...

Tem uma dica para os pobres, no nosso subsolo tem muita riqueza como: ouro, prata,bauxita,cobre, urânio etc...Tudo isto pertence a pátria, e a Pátria é dos patriotas (...)