terça-feira, 3 de agosto de 2010

Estrada para lugar nenhum

Rota Assinalada em amarelo mostra trecho recuperado
trecho em vermelho, parte não recuperado 
Clique no mapa para ampliar foto




Moradores da região junco e arroz estão indignados com a secretaria de obras de Francisco Sá quanto à recuperação de estradas da zona rural. Há algum tempo os moradores dessa região vem solicitando a recuperação de suas estradas, dois meses atrás ficaram contentes quando apareceu uma maquina consertando as estradas, mas o serviço não foi concluído, faltou à ligação com a estrada da capivara, uma extensão de uns cinco kilometros continua ruim.


Como se pode ver na foto vieram consertando no sentido da cidade (parte em amarelo do mapa) passando pelas propriedades de D.Neném, Zé Lopes, dequinho, Zilmar e voltaram no sentido a Zé Jair quando a estrada volta ao mesmo ponto de onde veio,quando deveria seguir em frente passando por Elma, Ivo, Giovani, Alaor e Manoel Relâmpago onde encontra com a estrada da capivara (já recuperada) que é o trajeto usado pelos moradores para chegarem ao Brejo.


Inconformados os ruralistas esperam uma resposta da Prefeitura para reparar o erro ou incompetência da secretaria de obras, pois esse é um ano político eles estão esperando os mesmos visita-los pedindo votos com suas caras de pau.

8 comentários:

João de Dedé disse...

Infelizmente a atual administração comete equivocos em determinadas situações simplesmente por falta de planejamento do responsável pela execução dos serviços, no caso acima o secretário de obras que gastou tempo e combustivel e a estrada não vai a lugar nenhum

Anônimo disse...

Não creio que seja caso de incompetência no planejamento da obra,parece que é mais discriminatória, se analizarmos os nomes dos proprietários por onde a estrada não foi recuperada, insinua uma perseguição, mas não são somentes esses que utilizam a via, isso é pobreza de espirito.

Anônimo disse...

Isto mesmo, se quizer vão ter que usar um charrete, nada de estrada para inimigo político! outra, esta minoria não faz diferença alguma na capanha para deputado, pois, boa parte dos votos já estão certos, se eles estiverem pensando que com aqulela miséra urna vão coseguir fazer pressão, estão verdadeiramentes engandos!O lema e o seguinte estadas só vai passar na porta dos amigos!

Anônimo disse...

Pede este pessoal que não tem estrada, para usar os recursos que eles retiraram indevidamente dos cofres públicos, fazendo jus, consertando as estradas, seria um maneira de ressarcir o erário, não é?

João de Dedé disse...

Nos comentários supra o comentarista comete um engano, a urna pode ser misera, mas, a estrada é grande é não somente os eleitores da urna utilizam a estrada para chegar à proxima urna e depois para as outras subsequentes, simplesmente estão cobrando por um serviço que é de competencia da administração atual. A internet chegou a zona rural e atravez dela estamos fazendo o uso de nossa cidadania.

João José disse...

Convenhamos, há que ser feita uma analise preliminar da capacidade lógica dos responsáveis pela execução do serviço tal qual como: Conhecimento em engenharia civil no setor de estradas, analisar a topografia do local para escoamento de água pluvial. Conhecimento em engenharia de tráfego para medir a intensidade de fluxo de veículos e determinar parâmetros para tornar a obra operacionalmente correta no interesse coletivo. Posso afirmar que tanto Zé de Pretim e Antonio Osvaldo não são capacitados nesses assuntos.
Senhor Prefeito , sua administração está sendo prejudicada por incompetência de seus secretários.

Anônimo disse...

Porque Você se preocupa com o nome a zelar do prefeito ( boa administração)? Foi engano nada, a estrada não precisa ser consertada, existe outros atalhos para se que se possa chegar aos outros locais de votação. Portanto,entretanto,tem outras vias de acesso para estes moradores , um pouco mais longe é claro rsrrsr... Este pessoal que sombra e àgua fresca, é só fica quietinho ai na roça, o que que eles querem na cidade,o homem do campo tem que ficar no campo Rsrsrsr...

Bartolomeu disse...

Diferente do que pensa se é que pensa o leitor anônimo sobre a temática ruralista brejeira, penso que há um renegação sistemática contra os mesmos.
Indiscutivelmente o município está baseado na economia do agro negocio sendo possuidor do maior rebanho e bacia leiteira norte mineira colocando o nome da cidade em listas de referências de despenho. Ao contrário do centro urbano que não atende aos ensejos da população, faltam emprego e qualidade de vida e outros quesitos básico e que só coloca o nome da cidade na mídia por crimes e políticos inelegíveis como no ultimo pleito municipal.
Também contrario ao pensamento do leitor, o ruralista não que estradas para passear e sim para escoar sua produção e receber os urbanoides em suas propriedades para conhecerem o que fazem pelo Brejo.