quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

Duzentos e dez prefeitos eleitos em 2008 foram cassados.


Luciana Lima
Repórter da Agência Brasil
Brasília - Pesquisa divulgada hoje (13) pela Confederação Nacional dos Municípios (CNM) demonstrou que dos 5.563 prefeitos eleitos em 2008, 383 não estão mais no cargo. Destes, 210 foram cassados, 48 deles por supostas fraudes na campanha eleitoral. Em 56 municípios do país, a troca de prefeito ocorreu por morte do titular, sendo que oito prefeitos foram assassinados ou se suicidaram.
As cassações por infração à lei eleitoral representaram 22,8% dos casos de afastamento dos prefeitos. Os casos mais comuns incluem a tentativa de compra de voto, uso de materiais e serviços custeados pelo governo na campanha e irregularidade na propaganda eleitoral.
Já os atos de improbidade administrativa motivaram 36,6% das trocas. Além disso, 4,76% dos prefeitos deixaram seus cargos por causa de crime de responsabilidade, 17,62% por infração político-administrativa e 2,86% por crime comum.
Os estados de Minas Gerais e do Piauí apresentam o maior número absoluto de prefeitos cassados. Em cada um desses estados, 29 prefeitos perderam o mandato após processo de cassação. Em segundo lugar vem o Paraná, onde 14 prefeitos foram cassados. O Ceará, Rio Grande do Sul e Santa Catarina tiveram 12 prefeitos cassados em cada estado.
A pesquisa foi feita a partir do cruzamento de dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), das federações regionais de municípios e da própria CNM, com o objetivo de detectar onde houve mudança de prefeito desde 2009. Depois, os pesquisadores entraram em contado com os municípios onde as mudanças ocorreram para saber dos motivos que levaram às trocas.
Edição: Rivadavia Severo
Extraído de: Agência Brasil  - 13 de Fevereiro de 2012

Vereador Tássio impede a cassação do 211º prefeito

Divergindo da doutrina empregada em seu blog por vários anos, em que opunha ferrenha oposição à atual administração municipal, inclusive participando do pedido de afastamento do prefeito, o vereador Tássio Emidio se absteve de votar na reunião da câmara do dia 25 de janeiro de 2012 que julgava vários atos de improbidade administrativas do prefeito José Mario Pena. A atitude do vereador causou surpresa a toda população de Francisco Sá. O Vereador retirou seu blog do ar  onde mantinha matérias criticando a atual administração e não manifestou o motivo que impediu que o 211º prefeito (o 30º de Minas) fosse cassado com sua abstenção

3 comentários:

Anônimo disse...

Repito novamente, Todo este entusiasmo de cassar ou não um politico, não implicaria em mudança, quando os seus substitutos tem o mesmo perfil daquele mesmo que outrora governara.

J.Salvador disse...

Com a aprovação da Lei da Ficha Limpa vai ser difícil achar um candidato a prefeito em Francisco Sá, ao que parece todos os figurões arcaicos da politica brejeira serão barrados pela Lei, quem será que vai escapar da degola?

Lorenzo Da Arábia disse...

As vezes Fico pensando(...) Para que as pessoas votam ? Porque tenho a convicão que o voto é mais uma arma contra o cidadão ! Vejamos,se nas próximas eleições, a maioria dos eleitores não comparecerem nas urnas? Como seria? Quem seria o mais prejudicado? O cidadão? ou O politico que faltaria o combustível para abastecer o seu jatinho? (...)